Tecnologia Segurança do PIX: é possível evitar fraudes?

Segurança do PIX: é possível evitar fraudes?

Rafael Negherbon

Rafael Negherbon

O PIX foi desenvolvido pelo Banco Central para facilitar as transferências de dinheiro, possibilitando transações instantâneas. A novidade tem sido vista como uma grande revolução no meio financeiro, mas também foram levantados questionamentos quanto à segurança do PIX.

Por promover tanta facilidade para as transações, será que o PIX também não facilita a ação de criminosos? 

De fato, pelo menos a intenção em aplicar golpes envolvendo o PIX podemos dizer que existe: até o dia 6 de outubro já foram identificados 30 domínios falsos na internet usando o nome do novo sistema de pagamentos.

Sendo assim, estar atento à segurança do PIX é indispensável para garantir que os usuários estarão protegidos de fraudes. 

Levantamos algumas informações importantes que você deve saber sobre esse novo meio de pagamento. Continue a leitura para ficar por dentro.

Conteúdos Relacionados:

Como o PIX vai garantir a segurança das transferências?

O Banco Central informou que a responsabilidade de garantir a segurança das transações não será apenas dele, mas também das instituições financeiras, que podem usar senhas, biometria, reconhecimento facial ou outros recursos para assegurar essa proteção.

Os bancos que apresentarem alto o índice de irregularidade estabelecido pelo BACEN podem ser multados ou mesmo ter suspensa ou cassada a autorização para oferecer o serviço do PIX.

Todas as transações financeiras, além de operações de registro e de alteração de chaves, serão realizadas por mensagens assinadas digitalmente pela instituição emissora, enviadas em canal criptografado e com utilização de certificados digitais.

Entenda cada passo de segurança do PIX ao fazer uma transferência de dinheiro:

Confirmação da chave do destinatário pelo usuário

Quando for realizada a transferência, o usuário deve confirmar a chave do destinatário para quem quer enviar o dinheiro. 

Serão informados os dados do favorecido de acordo com a chave inserida. Então, se os dados não baterem, a transação já deve ser cancelada.

Análise dos dados do destinatário pelo banco

Se o usuário seguir com a transação, será a vez de a instituição bancária analisar se esses dados coincidem com uma conta válida no nome do destinatário. 

Caso o banco identifique alguma suspeita de fraude, é feita a retenção do pagamento.

Retenção do pagamento

Diante de algum problema, a instituição bancária poderá reter a transferência por até 30 minutos, se for durante o dia, ou por até uma hora, se for à noite. 

Durante esse tempo, o banco avalia melhor a transação e pode, inclusive, entrar em contato com o usuário para confirmar se foi ele mesmo que fez a tentativa. 

Se for confirmada a fraude ou se o banco ainda suspeitar de que possa haver, a transação é negada.

Negação da transação

A transação poderá ser negada como uma forma de garantir a segurança do PIX. Os bancos estarão autorizados a reter as transferências suspeitas, mas o Banco Central vai acompanhar o número de bloqueio para garantir eficiência na prestação do serviço.

O que mais é possível fazer para obter segurança do PIX?

Para fazer transações seguras pelo PIX, é fundamental manter os cuidados de cyber security que já eram recomendados para uso do Internet Banking, como:

  • Nunca fornecer senhas;
  • Trocar senhas periodicamente, preferindo sequências que não sejam usadas em outras contas ou serviços;
  • Desconfiar de e-mails que pedem dados ou solicitam atualizações;
  • Tomar cuidado com páginas falsas (phishing) e SMS falsos (smishing);
  • Manter um antivírus ativo, seja no computador ou no smartphone.

É importante lembrar que os criminosos estão sempre desenvolvendo golpes diferentes e cada dia mais elaborados. 

Como o PIX vai tornar mais fáceis e rápidas as transferências bancárias, pessoas mal intencionadas também vão aproveitar. Então, é essencial ficar atento a qualquer mensagem fora do comum.

Se o usuário identificar um problema com alguma chave específica, também será possível enviar uma notificação de fraude para o Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT).

Afinal, o PIX é seguro?

Podemos dizer que sim. Será um serviço mais fácil, barato e seguro para o usuário enviar e receber dinheiro, seja Pessoa Física ou Pessoa Jurídica.

Comparado ao boleto, a chance de cair em algum golpe pelo PIX é menor. Com o boleto, o usuário tem acesso apenas ao código de barras, que não precisa apresentar nenhuma informação confiável.

Já  com a chave do PIX, é possível conferir todos os dados do recebedor.

Para empresas, que realizam pagamentos em lote, é fundamental contar também com a segurança de uma plataforma de gestão e processamento de pagamentos, especialmente se for integrada via API, também segura.

Na Transfeera, já realizamos o pré-cadastro da chave para transferências PIX em nossa plataforma e fizemos o cadastro dessas chaves junto ao Banco Central.

Quando o PIX começar a funcionar, a nossa plataforma de pagamentos, que já era focada em agilidade e praticidade, vai ganhar ainda mais velocidade.

Com o PIX, todos os pagamentos e envios de saldo poderão ser feitos 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias do ano.

Saiba mais sobre como tornar as transações da sua empresa ainda mais seguras. Confira este conteúdo:

E para mais conteúdos sobre PIX, acesse nossa página exclusiva sobre o assunto neste link.

Usamos cookies e tecnologias similares para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e conteúdos de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossos termos legais, confira!