Tecnologia
Banco de varejo: o que é e como funciona nas empresas

Banco de varejo: o que é e como funciona nas empresas

Um banco de varejo possibilita às empresas ofertarem produtos e serviços financeiros de forma mais simples e com menos burocracia. Esse é o principal motivo pelo qual a modalidade vem conquistando organizações de diferentes segmentos.

Uma das razões desse sucesso reside no fato de que esse tipo de banco aprimora a experiência do cliente. E, como é de se esperar, uma boa experiência contribui para a fidelização do público e para a redução do abandono do carrinho.

Para entender o papel dos bancos de varejo em contribuírem com uma melhor jornada de compras, invista alguns minutos na leitura deste artigo.

O que são bancos de varejo?

O banco de varejo é uma instituição que oferece produtos e serviços financeiros focados nas necessidades de pessoas físicas ao invés de empresas. Colocando de uma outra maneira, é um modelo no qual consumidores (ou seja, pessoas físicas) têm à disposição as mais diversas soluções financeiras.

Mais abaixo detalhamos melhor quais são essas soluções, mas, para você compreender bem o que é um banco de varejo, perceba o seguinte: a proposta por trás do conceito é agregar serviços que possam contribuir com a jornada de compras de clientes de negócios virtuais.

Um ponto importante para entender o modelo de banco de varejo, é compreender que eles são estruturados com base no conceito de embedded finance (em português, “finanças embutidas”).

Quando tratamos de embedded finance, nos referimos ao fato de uma empresa oferecer soluções financeiras para seus clientes sem possuir a expertise no setor financeiro.

Um exemplo bem simples é quando um marketplace integra o pagamento via Pix ou serviços como empréstimos em seu portfólio. Ao fazer isso, a empresa não apenas vende produtos/serviços tradicionais, como também dão mais conveniência ao seu público.

Como o conceito de embedded finance é bem similar ao dos bancos digitais, o webinar Embedded finance: inclusão de soluções financeiras nas empresas sem burocracia vai te ajudar a melhor compreender o assunto deste artigo. Assista abaixo:

Quais os serviços oferecidos pelos bancos de varejo?

É importante entender que um banco de varejo parte de operações convencionais. O que isso significa na prática? Em poucas palavras, que o principal serviço oferecido por ele é a abertura de conta corrente ou conta poupança.

Apesar de falarmos do “principal serviço”, os bancos de varejo não se resumem à abertura de contas. Isso porque, dentre as soluções e serviços oferecidos por eles estão, além da conta corrente e conta poupança, os seguros, empréstimos pessoais, financiamentos, cartões de crédito e débito, previdência privada, formas de pagamentos diferenciadas, entre tantos outros.

Vantagens do banco de varejo

A redução da burocracia na abertura de contas e na utilização de outros serviços financeiros é uma vantagem evidente dos bancos de varejo. Os clientes também ganham em praticidade para realizarem suas solicitações.

Mas, se há benefícios para os clientes, há do mesmo modo pontos positivos para as empresas. Um deles está no aumento do portfólio de produtos e serviços, pois o negócio passa a oferecer também serviços digitais financeiros.

Imagine, por exemplo, uma varejista que aderiu ao conceito de banco digital. Nesse caso, seus clientes podem se dirigir à loja para abrir uma conta e, assim, ter melhores condições de pagamentos ou até mesmo conseguir empréstimos com juros mais baixos. Assim, aumenta a probabilidade de atrair e reter consumidores.

A retenção de clientes está diretamente ligada à valorização da marca, uma vez que clientes felizes são aqueles que sempre acabam voltando e que falam bem da empresa. Como consequência, vem o aumento das vendas, ou seja, cresce a lucratividade.

Além dessas vantagens, os bancos digitais também contribuem para as empresas aumentarem o poder de atração e até mesmo atingirem novos públicos.

Diferença do banco de atacado e varejo

O banco de atacado e o banco de varejo se diferem principalmente por um fator importante: o foco. O de varejo, conforme explicamos, conduz seus esforços para pessoas físicas, enquanto o banco de atacado busca atrair principalmente pessoas jurídicas, agências governamentais e grandes empresas.

O escopo dos produtos e serviços também muda. Isso faz com que as operações executadas difiram de um tipo de banco para o outro. O banco de atacado, por ter um foco em pessoas jurídicas, costuma oferecer consultoria e financiamento do capital de giro, como exemplo.

Outra diferença entre bancos de atacado e varejo diz respeito à fonte de lucro. Para os primeiros, o lucro está nos juros e nas taxas cobradas sobre os serviços. Já para os segundos, a principal fonte de lucro é a diferença na margem de juros de credores e devedores.

Vale destacar ainda que os bancos de varejo possuem processos menos burocráticos, tornando-os promovedores da inclusão financeira.

O futuro do banco de varejo

Como o banco de varejo tem como base o embedded finance, a tendência é que cada vez mais negócios se interessem por esse modelo bancário. Se isso realmente acontecer do modo que acreditamos, mais clientes terão acesso facilitado a formas de pagamento mais atuais – como o Pix – e a serviços financeiros.

Aliás, estar de olho no setor de meios de pagamentos é fundamental para qualquer negócio que queira proporcionar aos clientes uma boa jornada de compras. Fernando Nunes, cofundador e Diretor Comercial da Transfeera, conversou sobre o assunto com João Bezerra, Fintech Investment Leader da Bossanova Investimentos. Ouça o bate-papo no podcast:

Como se tornar um banco de varejo

Como o futuro do banco de varejo é promissor, existe uma forte tendência de que novos bancos despontem no mercado. Para se tornar um, as redes varejistas podem solicitar autorização ao Banco Central.

Contudo, um caminho considerado mais rápido e muito mais simples é contar com o apoio de empresas especializadas em soluções Banking as a Service, White Label e APIs. Ou seja, as fintechs.

Qual o papel das fintechs no banco de varejo?

As fintechs cumprem o papel de ajudar empresas a oferecerem serviços financeiros sem que para isso os negócios virtuais precisem de sistemas baseados em provedores de bancos centrais.

A fim de que você entenda melhor, uma fintech as a service, com suas plataformas de pagamentos e recebimentos que podem ser integradas facilmente por meio de APIs, possibilita à qualquer organização acrescentar produtos e serviços bancários incorporados (mais uma vez, falamos de embedded finance).

A Transfeera é uma fintech as a service e com a solução para pagamentos contribui para empresas automatizarem as transferências de valores aos seus parceiros, clientes e fornecedores, realizando as operações em lote.

Além disso, com uma API que pode ser facilmente integrada ao ERP sendo utilizado, a Transfeera possibilita aos negócios virtuais receberem via Pix por meio da plataforma de recebimentos.

Ainda, para e-commerces, marketplaces e fintechs que querem reduzir as falhas nas transações com dados incorretos, desenvolvemos a solução Transfeera de validação de dados bancários.

Aproveite e saiba mais sobre o papel de fintechs (como a Transfeera) na ampliação de serviços financeiros nas empresas. Acesse esse material agora mesmo.

APIs para fintechs

Quer receber esses conteúdos e as novidades em primeira mão diretamente em seu e-mail?

Cadastre-se e receba as atualizações do blog e sobre a Transfeera diretamente em seu e-mail.

Ao informar meus dados, concordo com a política de privacidade

Usamos cookies e tecnologias similares para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e conteúdos de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossos termos legais, confira!