A Transfeera não realiza empréstimos financeiros. Em caso de dúvidas, fale com nossa ouvidoria.

Gestão Financeira
Coe: o que significa e como funciona?

Coe: o que significa e como funciona?

Quando tratamos de investimento, sabemos que quanto mais rentável um produto pode ser, mais riscos ele também oferece. Por isso, muitos investidores decidem fazer aportes em ativos como o certificado de operações estruturadas, ou COE.

Mas, por que o Coe? Para entender, reserve alguns minutos na leitura deste artigo, saiba como o investimento funciona, quais suas vantagens e para quem ele é recomendado.

O que é COE?

COE é a sigla para Certificado de Operações Estruturadas. Ele foi regulamentado no Brasil em 2014, e é a versão em terras tupiniquins das Notas Estruturadas, um ativo comum na Europa e nos Estados Unidos.

Este produto de investimento tem atraído cada vez mais os olhares dos investidores por um motivo em especial: ele combina as possibilidades de ganho da Renda Variável com a segurança oferecida pela Renda Fixa.

Na prática, significa dizer que, ao investir em COE, uma parte do dinheiro é direcionado em títulos de renda fixa – como LCI – e a outra parte é aplicada em ativos de renda variável – como no caso das ações.

Por ter essa característica, o COE costuma criar uma camada de proteção caso alguns dos investimentos ligados ao certificado não performem da maneira esperada.

Contudo, o importante a esclarecer para que você possa entender bem sobre o que é COE, é que esse tipo de investimento não oferece nenhuma garantia de rentabilidade.

Como o COE funciona?

O COE é regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Como vimos, trata-se de um investimento que combina Renda Fixa e Renda Variável em um mesmo produto.

Ele possui características diferentes dos outros produtos do mercado financeiro a que talvez estejamos mais acostumados, como fundo imobiliários, CDBs, ações etc. Uma delas é que os COEs são emitidos pelos bancos.

Por essa razão, são as instituições bancárias que se responsabilizam por itens como:

  • Modalidade do COE;
  • Prazo de vencimento (normalmente ele não pode ser resgatado antes);
  • Valor mínimo para aplicação;
  • Taxa usada na remuneração;
  • Cenário de ganhos e perdas.

Todo COE emitido deve obrigatoriamente ter um registro no Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos). O Cetip é a garantia de que os bancos apresentam todas as informações de cenários de retornos.

Com relação à rentabilidade dos certificados de operações estruturadas, eles adotam estratégias variadas. Logo, as possibilidades de ganhos também variam.

Tipos de COE

Existem dois tipos de COE: de valor nominal protegido e de valor nominal em risco.

COE de Valor Nominal Protegido

Nesse caso, o investidor tem a garantia de que vai recuperar o valor investido inicialmente. Ou seja, isso independe do desempenho dos ativos de referência.

Para quem está começando neste tipo de investimento e possui pouca experiência, o COE de Valor Nominal Protegido costuma ser o tipo mais indicado. No entanto, destacamos que ele não é isento de riscos.

O primeiro deles é que existe a possibilidade de o investidor não ganhar nada. Mesmo que a pessoa recupere o aporte inicial, ficar no chamado “zero a zero” pode não ser muito bom.

Outro risco é a possibilidade de ganhar menos do que o esperado. Entenda o seguinte: sempre que temos uma certa garantia em um tipo de investimento, existe a contrapartida. No caso deste tipo de COE, a garantia é que o investidor no mínimo recuperará o valor investido, certo?

Bom, a contrapartida dessa proteção é que muitos COEs estabelecem um limite de ganhos. Por exemplo, mesmo que o ativo de referência tenha tido um avanço de 30% no período, é possível que quem aplicou receba apenas 15%.

COE de valor nominal em risco

Nesse caso, como o nome sugere, o investidor não possui qualquer garantia. Em outras palavras, ele pode perder tudo, inclusive o valor inicial aplicado.

Vantagens do COE

Como vantagens do COE, destacamos:

  • Uma boa opção para quem quer investir em renda variável, mas não deseja correr tantos riscos;
  • A pessoa investe já sabendo as possibilidades de ganhos e perdas;
  • Possui tributação simplificada e regressiva, a qual é cobrada apenas no momento do resgate;
  • É um investimento diversificado, pois uma única emissão pode realizar aplicações em índices, commodities, CDBs, LCIs, ações etc.

Desvantagens do COE

Embora apresente vantagens, o certificado de operações estruturadas possui também algumas desvantagens, como:

  • Não possui cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), o que significa que se a instituição financeira falir, os investidores podem não recuperar o capital;
  • Possui baixa liquidez;
  • Todo COE possui um teto para remuneração, conhecido por barreira de baixa. Caso ele renda acima do rendimento máximo, os investidores não receberão esse valor.

Investimento em COE

Sem dúvidas, o que faz o COE ser uma opção atrativa aos investidores é a combinação de aplicações. Como ele mescla produtos de Renda Fixa e Renda Variável, costuma ser uma boa opção para investidores com perfil moderado.

Claro que isso não é uma regra, mas pessoas com o perfil mais conservador podem não lidar muito bem com as oscilações desse produto.

COE e suitability

Suitability é o apetite ao risco. Sempre que uma instituição financeira emite um COE, ela faz uma análise e indica quanto de risco o investidor corre ao optar por um determinado certificado de operações bancárias.

Essa análise ajuda os interessados a avaliarem se o investimento é adequado ou não ao seu perfil. Segundo a Diretriz de Suitability:

  • Perfil 1: investidores com baixa tolerância a risco e que priorizam a liquidez.
  • Perfil 2: investidores com média tolerância, que estão dispostos a correr algum risco, mas sem deixar de preservar uma parte do capital no longo prazo.
  • Perfil 3: investidores que aceitam potenciais perdas como contrapartida de poderem ter um retorno maior.

Conclusão

O certificado de operações estruturadas pode ser uma boa maneira de contar com a segurança da Renda Fixa sem deixar de lado as possibilidades de ganho da Renda Variável.

Apesar disso, vale sempre lembrar que a escolha por investir ou não em COE deve ser baseada no seu perfil de investidor e nos seus objetivos. Normalmente, ele costuma ser uma opção para perfis moderados ou arrojados. Entretanto, não existe uma regra que defina isso.

Gostou de conhecer sobre este tipo de investimento? Agora, que tal ver como investir no seu negócio virtual para que ele reduza despesas? Confira um guia completo que preparamos para ajudar você a diminuir os gastos e aumentar os lucros do seu negócio:

Guia: redução de custos nas empresas

Quer receber esses conteúdos e as novidades em primeira mão diretamente em seu e-mail?

Cadastre-se e receba as atualizações do blog e sobre a Transfeera diretamente em seu e-mail.

Ao informar meus dados, concordo com a política de privacidade

Usamos cookies e tecnologias similares para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e conteúdos de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossos termos legais, confira!